Editorial – Condenados à pós-verdade?

By  | 7 de Setembro, 2018 | 0 Comments | Filed under: Notícias

Temos ouvido falar frequentemente na pós-verdade, mas muitas vezes sem cuidar do seu verdadeiro significado.

Pós-verdade, escolhida pelo Oxford Dictionaries como palavra do ano em 2016, significa a opinião pública dar mais importância aos apelos emocionais e às crenças subjetivas do que aos factos objetivos. Há uma estratégia política de pós-verdade, baseada no populismo, aqui com este sentido preciso.

O “Brexit” e a eleição de Donald Trump são frequentemente apontadas como exemplos desta estratégia política.

Onde havia uma vontade de conhecer os factos e até de conhecer diferentes posições, parece agora que se procura a confirmação das suas opiniões.

As grandes plataformas sociais da Internet (Facebook, Twiter, etc.) têm fomentado esta tendência. Aliás, o Facebook de forma muito ativa, alterando o seu algoritmo para aumentar o alcance de mensagens de amigos e familiares, diminuindo o de sites noticiosos, favorecendo a replicação de falsas notícias.

Evidentemente, são os jornais – o jornalismo – quem está em causa, o jornalismo que verifica factos e garante o princípio do contraditório. E a democracia tal como a entendemos, claro. O princípio do cidadão livre que toma decisões informadas com base em factos.

Podemos concordar que a verdade pode ter características relativas, mas mentira é mentira. Objetivamente, é fácil confirmar que uma afirmação é falsa e que objetivamente são falsas as intenções com que foi difundida. A mentira é o calcanhar de Aquiles da pós-verdade.

Mesmo assim, o problema é que muitos dão atenção ao boato e poucos ao desmentido…

Não há forma de evitar isto? Temos de suportar este horror por uma geração ou duas?

Não. Há soluções sim, mas não há antídotos mágicos e instantâneos. Temos de ir à luta, batalha a batalha.

A primeira solução é assinar e ler jornais, apoiar o jornalismo. Ninguém é perfeito e erros são cometidos, mas não se pode confundir a árvore com a floresta.

A segunda é pensar nas pessoas. Evitar a generalização rápida. Há pessoas objetivas em todas as situações, pessoas com famílias com os mesmos desejos básicos que nós e as nossas famílias temos. Pessoas que, como nós próprios, têm contradições e anacronismos.

Finalmente, e uma vez mais, conversar com todos à nossa volta. Criar e consolidar os laços das comunidades. Acolher (não é concordar) as opiniões de outros, apresentar as nossas. Esta é uma batalha que se ganha com palavras e sentimentos, pessoa a pessoa.

É preciso desmascarar a simplicidade. Vivemos num mundo complexo. A diversidade não é um problema, é uma riqueza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

AUDITÓRIO COSTA DA CAPARICA

  1. 28JunConcerto Mário Gramaço
  2. 14SepV Encontro de Narração Oral de Almada
  3. 15SepV Encontro de Narração Oral de Almada
  4. 05OctJoão da Ilha
  5. 25OctFilipe Salgueiro
  6. 26OctFilipe Salgueiro
  7. 27OctFilipe Salgueiro
  8. 15NovTeatro - "Volta a Portugal em Revista"
  9. 29NovFilipe Salgueiro
  10. 30NovFilipe Salgueiro
  11. 01DecFilipe Salgueiro
  12. 14DecConcerto Magano

GANDAIA CLUBE

  1. 13JulApresentação do livro de poesia "Pacto" da autoria de Miguel Almeid
  2. 28SepLançamento do livro "Memórias de uma Menina que se tornou Mulher" d

NOTÍCIAS NO EMAIL

Para receber no seu email o nosso BOLETIM SEMANAL Introduza aqui o seu endereço eletrónico...

Pin It on Pinterest