Academia Almadense – Uma Casa com Tradição 

By  | 22 de Abril, 2019 | 0 Comments | Filed under: Notícias

Espaço de longa tradição, a Academia Almadense continua a escrever a sua história de 124 anos no concelho de Almada.

Tudo começou com “a menina dos nossos olhos”, como se refere à Banda Filarmónica, Vítor Pinto Claro, presidente da direção da Academia Almadense há três anos. A sua vida está há muito ligada a esta colectividade, tendo sido durante 11 anos director da Ginástica e vice-presidente Desportivo. Actualmente este cargo está à responsabilidade de Carlos Piedade, que colabora com a Academia desde 1979 e também participa nesta conversa.

Antes do presente, claro, há o passado, uma história que começa em 27 de Março de 1895, quando nasce a Academia de Instrução e Recreio Familiar Almadense, no Largo 1º de Maio, em Almada. José Maria de Oliveira, comerciante e músico amador, que já havia sido tanoeiro de profissão, funda com amigos a Academia e é o seu primeiro presidente.

A construção da sede, na Rua Capitão Leitão, foi concluída em Setembro de 1942. No entanto, com o passar dos anos, o edifício já apresentava sinais evidentes de degradação que exigiram uma reabilitação profunda de toda a construção. A requalificação desta sede, onde hoje nos encontramos, foi inaugurada a 13 de Setembro de 2014, e a partir dessa altura passou a albergar também a Companhia de Dança de Almada (Ca.DA), com base num protocolo celebrado entre as duas instituições que permite à Ca.DA dispor do auditório da Academia.

124 anos depois

Em Março, a Academia Almadense celebrou as suas 124 primaveras. Para comemorar a data, elaborou um programa, aberto a toda a população, que decorre até 5 de Maio, e que inclui uma revista musical, teatro comunitário, noite de
fados, mais, no dia 6 de Abril, o espectáculo Canta Zeca, Canta Adriano, Cantamos Nós, que junta vários convidados musicais em homenagem aqueles dois compositores e intérpretes.

Vítor Pinto Claro também quer marcar pela diferença este ano, “temos uma abertura, ‘Almada tem talento’, para a qual convidámos 10 colectividades do concelho a fazerem uma apresentação à sua escolha. Por nós escolhemos uma representação inédita: uma jovem de 12 anos a tocar violino com outra criança a dançar capoeira. É um contraste e vamos apostar nisso”.  Ainda no que diz respeito à música, destaca-se, a 7 de Abril, um encontro de bandas com a Banda da Sociedade Filarmónica Operária Amorense e a Banda da Timbre Seixalense. E no dia 13 de Abril, no Complexo Municipal dos Desportos, no Feijó, decorre o XXV GymnaAcademia, um evento anual com participação de várias coletividades vindas de fora do concelho, todas elas ligadas à ginástica rítmica.

Cultura e Desporto 

A Academia Almadense tem cerca de 4500 sócios. Quem pratica actividades culturais e desportivas não tem a obrigatoriedade de ser associado, mas pagando uma quota, tem regalias como descontos nos preços.

A nível cultural, existe o teatro musical, que conta com quatro professores, e é um curso que pretende desenvolver capacidades de canto, dança e representação, que serão aplicadas num espectáculo no final da época. Existem ainda as aulas de violino, piano, viola e de teatro.

Por seu lado, a Escola de Música da Banda tem como objectivo principal formar músicos, que posteriormente irão integrar a filarmónica. Francisco Pinto é o maestro da Escola de Música da Banda, que vamos encontrar concentrado a trabalhar no espaço onde decorrem estas aulas. O presidente da Academia Almadense tece-lhe fortes elogios: “o nosso maestro tem feito um trabalho fantástico, todos os anos consegue levar da Escola de Música à Banda Filarmónica quatro, cinco executantes”. O que é importante, já que grande parte da história desta colectividade se deve à actividade musical. “Temos uma grande banda, à volta de 36 elementos”, orgulha-se Vítor Pinto Claro. Quando solicitada, participa em encontros e desfiles de bandas filarmónicas, assim “como nós também convidamos outras instituições com bandas a virem à Academia”. No programa de aniversário anual é já tradição acrescentar uma de representação a nível nacional, seja a banda do Exército, a banda da Marinha ou a banda da Aviação.

A nível desportivo, a acção acontece no ginásio da Academia Almadense. Existem classes de formação dos três aos nove anos, que vão evoluindo de forma a integrarem as classes de representação. A ginástica rítmica, uma das modalidades mais antigas da colectividade, e a acrotramp, classe de acrobacia, também são motivo de vaidade para Vítor Pinto Claro. “Temos duas classes de representação, a nível nacional e internacional, que, de quatro em quatro anos, participam no Gymnaestrada”, o maior evento de ginástica competitiva mundial. E é neste contexto, que a Almalusa, a classe de ginástica rítmica, vai à Áustria, em Julho.

Com foco na ginástica sénior, existe a classe de manutenção que oferece um espaço de treino àqueles que desejam manter-se saudáveis e activos. Aqui também são praticadas artes marciais judo e karaté com classe jovem e adulta, kung fu, tai chi e chi kung, e com o metre Didi há aulas de capoeira.

 

Sala de Cinema

A Academia Almadense tem a maior sala de espectáculos de Almada, com 830 lugares, “o Salão Nobre” como lhe chama o presidente. Inaugurada em 1974, serve de palco aos espectáculos promovidos pela Academia e pode ser alugada por entidades externas para eventos. “Quando nos solicitam as nossas instalações, nós facultamos sempre, cedemos a sala grande para as festas de Natal das coletividades e empresas. Em Dezembro está muito ocupada porque ao nível do concelho não há igual”, reconhece o Presidente da AIRFA.

Foi a esta sala, no final de 2018, que a iniciativa Feliz Almada, trouxe Bruno Nogueira com o espetáculo de stand up Depois do Medo, e Ricardo Araújo Pereira. “São sempre casa cheia! Vasco Palmeirim, António Raminhos, todos esses têm vindo cá e ao longo do ano ainda temos espectáculos que fazemos consoante a Câmara Municipal de Almada solicita as nossas salas, como acontece com o Concerto de Ano Novo.” Carlos do Carmo, Sérgio Godinho, Trovante, Fernando Tordo, Raquel Tavares, Xutos e Pontapés são alguns dos artistas que, nos últimos anos, passaram pela sala grande. “O Paulo de Carvalho adora vir à Academia, diz que não há casa com uma acústica como esta”, reforça o Presidente.

Também o Tágides – Festival Internacional de Tunas Universitárias, da FCT Nova, que acontece em Março, é uma tradição nesta casa desde há 26 anos.

Mais importante é a Academia Almadense e o seu cinema fazer parte da memória comunitária, sendo esta a sala onde muitos viram cinema pela primeira vez nas suas vidas. Vítor Pinto Claro recorda esses tempos áureos: “o cinema funcionava aqui em pleno, com as salas sempre cheias, até faziam fila. Tínhamos acordos com a Columbia Pictures, Castello Lopes e Lusomundo, que deixou de nos distribuir as estreias, porque com o aparecimento do Almada Fórum, foi lá que as pessoas passaram a ir ao cinema”. Em 2006, a AIRFA suspendeu mesmo a exibição de filmes, pois já só tinham prejuízo.

Actualmente, são exibidos filmes apenas enquadrados na programação da colectividade. O CineEco Almada é um festival de cinema dedicado às crianças, que decorreu no início de Março. A Monstrinha, outra iniciativa da Academia Almadense, também por aqui passa em Abril. “Passamos filmes englobados no Festival da Juventude, e durante as comemorações do aniversário também são exibidos para os associados, tudo de forma gratuita”.

Existe ainda o Cine Teatro 2, uma sala mais pequena, com 197 lugares, restaurado em 2014, que também pode ser requisitado.

Nova requalificação e financiamentos da CMA 

Mas como diz o ditado, “quem está no convento é que sabe o que lá vai dentro”. E relativamente a este assunto, Pinto Claro defende aquela que “é a sala que nós merecemos dentro do nosso concelho e que tem de ser toda requalificada. No Cine Teatro 1, é necessária intervenção e de forma urgente. Tem sido feita a inspeção por lei, e com a revisão já nos alertaram para a intervenção que aqui temos de fazer”. “Se nós Academia, necessitamos deste espaço restaurado, a Câmara Municipal de Almada também necessita, porque o utiliza muitas vezes durante o ano, e só não dispõe mais porque não estão reunidas todas as condições”. E o presidente enumera algumas das mudanças necessárias: “o ar condicionado não está a funcionar, o palco precisa de ser restaurado, tem de levar varas motorizadas e uma cortina antifogo, que, para se ter uma ideia, só a cortina custa à volta de 50 mil euros. A sala de cinema também tem de levar cadeiras novas, a alcatifa lateral e do chão é toda para ser levantada, colocar-se uma insonorização diferente, os camarins precisam de ser renovados, que estes estão mais do que ultrapassados. Também já nos é exigido um elevador, assim como uma casa de banho para deficientes no piso inferior”.

Obras que ascendem a um milhão e meio de euros e estão dependentes da CMA, que as aprovou, mas que até à data nada executou e neste momento vive-se um impasse.

Vítor Pinto Claro contextualiza como decorreu este processo. “Na altura, com o presidente Judas, mediante um protocolo, a câmara deu-nos uma verba e ficou pendente um valor para quando fosse o restauro da outra parte do edifício. Numa reunião que a Direção da AIRFA teve com a actual presidente, falou-se que a obra envolve entre 1 milhão e 200 mil a 1 milhão e 500 mil. A presidente disse-nos que até dois milhões não haveria problema, e que até ao final do seu mandato queria a obra toda concluída, que tal não poderia ser numa única fase, mas que se fazia em duas ou três. Posto isto, avançámos com o arquitecto José Luís Amaro, que já havia feito o projecto deste edifício com o elevador, aqui já com a sala da banda, a sala do associado e o museu no rés do chão para serem espaços que passem a ter visibilidade e a dignidade que os associados merecem.”

Este arquitecto acabou por falecer, por isso “tivemos de encontrar um outro, Carlos Alberto Gomes, que nos fez o projecto entregue e aprovado pelos serviços técnicos da CMA. Isto passou-se há cerca de um ano e continuamos a aguardar. A presidente diz-me que as obras se fazem”, mas nada avança. É de reforçar que em causa não está apenas a estética, mas principalmente as questões de segurança inerentes a um espaço frequentado pela população. Tal como admite o presidente “queria realmente que esta obra fosse concluída para que a Academia tenha a distinção que Almada merece, que possa ser utilizada por nós, por todos os que nos solicitam a cedência da sala e pela própria CMA, que dela usufrui”.

Câmara, aliás, que, pelos serviços prestados à comunidade, atribuiu à Academia Almadense a Medalha de Ouro da Cidade, em 1995. ”A importância do reconhecimento é o valor que esta coletividade tem dado em prol do movimento associativo ao concelho e a nível nacional. É de utilidade pública pois promove o desenvolvimento intelectual e físico dos cidadãos”.

Além do financiamento pontual já referido para obras, existe um protocolo celebrado entre a Academia Almadense e a CMA, que já vem dos executivos anteriores, com os ex-presidentes Maria Emília de Sousa e Joaquim Judas. Até às últimas eleições autárquicas “este valor foi de 48 mil euros, distribuído por parcelas quadrimestrais, mas com a presidência da autarquia entregue a Inês de Medeiros baixou para 43 mil euros. Este ano, estamos a negociar para que volte novamente para os 48 mil euros, como era anteriormente”.

“Para mantermos os ordenados dos trabalhadores em dia este apoio é fundamental, temos aqui muita gente a trabalhar, além do maestro e dos professores das área cultural e desportiva, que envolvem um valor muito elevado, e para isso necessitamos mesmo da colaboração da própria autarquia, quer a CMA, quer a Junta de Freguesia.

Ao cima das escadas do cinema, inaugurado a 6 de Novembro de 1974, encontra-se um painel, que simboliza a história da Academia Almadense, projectado pelo escritor e dramaturgo Romeu Correia e executado por Louro Artur. Entretanto, como todas as terças-feiras, no piso inferior, a cooperativa Fruta Feia entrega os cabazes de fruta e
legumes aos seus consumidores no concelho.

O museu José Maria de Oliveira, situado no último piso do edifício, tem em exposição todo o património da AIRFA, embora não seja visitado. O objectivo é transferi-lo para o rés de chão para não ficar esquecido. “O nosso museu é lindo e riquíssimo, digno de ser visto, até pelas escolas”, enaltece o presidente. E parece de facto impossível não sorrir quando os olhos se passeiam por tal herança, desde fotografias a preto e branco, instrumentos antigos e até relíquias, como o primeiro telefone de parede da colectividade.

Sinais dos tempos, que se vão alterando. Por admirar ficou a vista do terraço que tanto prometia. A Academia Almadense faz parte da memória colectiva da cidade: se uns ainda recordarão os tempos do cinema ao ar livre, ou os bailes de domingo à tarde no salão, possivelmente palco de histórias de amor, outros estarão hoje mais preocupados em tocar a nota certa na banda filarmónica ou em dar um salto mais perfeito na ginástica rítmica.

Esta é uma casa almadense, com certeza!

Para saber mais em http://www.airfa.pt/

About 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

AUDITÓRIO COSTA DA CAPARICA

  1. 27SepLancamento do livro 'Contos e Encantos da Caparica"
  2. 05OctJoão da Ilha
  3. 11OctTeatro - "Quero ir prá Ilha "
  4. 12OctConcerto do Jair Mozart
  5. 25OctFilipe Salgueiro
  6. 26OctFilipe Salgueiro
  7. 27OctFilipe Salgueiro
  8. 09NovCAPARICA JAZZ
  9. 15NovTeatro - "Volta a Portugal em Revista"
  10. 23NovTeatro Infantil
  11. 29NovFilipe Salgueiro
  12. 30NovFilipe Salgueiro
  13. 01DecFilipe Salgueiro
  14. 14DecConcerto Magano

GANDAIA CLUBE

  1. 28SepLançamento do livro "Memórias de uma Menina que se tornou Mulher" d

NOTÍCIAS NO EMAIL

Para receber no seu email o nosso BOLETIM SEMANAL Introduza aqui o seu endereço eletrónico...

Pin It on Pinterest