O Espetáculo

By  | 14 de Maio, 2019 | 1 Comment | Filed under: OPINIÃO, Reinaldo Ribeiro

A ovação retumbante ecoa como uma vaga de fundo naquela imensa e luxuosa sala de espectáculos, cujo tecto tem desenhado o mapa do mundo.

São os aplausos sinceros e esfuziantes, da selecta plateia de representan­tes de dignas e respeitáveis organizações mundiais.

Este ilustre público ostenta sobre o peito, como se fossem condecorações de tempos passa­dos, crachás identificado­res das organizações a que pertencem ou dos países que representam, e as siglas são múltiplas: FMI, EU, OCDE, ONU e tantas, tantas outras. Estão orgulhosos de mostrá-las, afinal, eles sa­bem que são os eleitos, a elite do mundo.

Todos aplaudem de pé, naturalmente aplaudem uma cena do espectáculo, modesta no contexto global da peça, mas incon­cebivelmente bem representada.

Os actores, com uma humildade forçada, agradecem. Um deles, comovido, reco­nhe­ceria mais tarde que ficou com “um aperto no coração” por ter incorporado tão veemen­temente o papel de rei que foi forçado a sacrificar muitos dos seus súbditos para salvar o reino. Um outro, que desempenhou o papel do tesoureiro da corte, afiançaria que passou algumas noites sem dormir, porque tinha de explicar ao povo as severas medidas decididas pelo monarca. – Foram grandes actores a viver intensa­mente os papéis que desempenharam.

À saída do teatro, a felicidade estampa-se nos semblantes dos espectadores, e os seus olhos sorriem de prazer, enquanto se diri­gem para as reluzentes viaturas que os aguardam.

Mas que peça é esta que tanto agradou?

É uma história banal, antiga, inalterável ao longo dos séculos. É a história de um governante que se impõe ao seu povo como um pai, um amigo. É idolatrado, porque de tempos a tempos organiza arraiais e festas populares e distribui alguns animais da sua propriedade e suficientes barris de vinho das suas adegas ao povo. Nesses dias, todos se divertem, todos comem e todos bebem, como se a sua vida fosse uma festa. Contudo, sob a capa de benemérito, o rei aproveita-se do reconhecimento dos humil­des e impõe-lhe sacrifícios cada vez maiores. Inexplicavelmente, o povo continua a adorá-lo.

A cena que tanto agrado provocou, mostra o governante numa das varandas do palácio, acompanhado da sua faustosa corte, falando ao povo. Entre os contínuos louvores e os gritos de exaltação, mal se ouvem as suas palavras, que diz:

“Meu povo, comei e bebei, a festa é vossa. Sabeis que vos adoro como se fosseis meus filhos, e sei que sois vós a força e a riqueza deste reino. Se não vos dou mais, é porque nada mais tenho para vos dar.

Como sabeis a última guerra que travámos com os nossos inimigos, custou-nos imensas vidas e exauriu completamente os nossos cofres. Agora, passado tão pouco tempo, voltámos a ter os nossos castelos ameaçados e temos de nos defender. Precisamos de fazer armas, e de encher os nossos celeiros para sermos fortes. É preciso que todos se sacrifi­quem e que contri­buam com tudo o que puderem e tiverem, seja em armas, animais, colheitas, homens, e anéis (sabeis bem que é preferível perder um anel para uma boa causa, que perder um dedo!). Como este é um momento particularmente difícil, todos terão de colaborar. Aqueles que se recusarem serão severamente punidos pela minha guarda, e eu não quero que os meus filhos sofram, por isso sei que todos se despojarão de boa e livre vontade dos bens que possuam para ajudar o reino em perigo.

Nada mais vos peço. Agora divirtam-se, meus filhos, cantem, dancem, comam e bebam e amanhã cedo ireis encher os nossos cofres com a vossa generosidade.”

Aquele público distinto e rico, adorou o espectáculo. Porquê? Porque a peça representava, na perfeição, a vida real. Era o domínio da opulência sobre os despojados, através da persuasão, da força e da mentira. Aquela era a única forma de solucionar os problemas do reino e de lidar com o povo. Afinal, todos eles tinham lido O Príncipe de Maquiavel.

Na rua, junto às escadas do Teatro, o povo anónimo, mos­trava o rosto sofrido do desânimo e do conformismo. Ninguém tinha visto a representação da peça. Mas conheciam-na bem. Todos eles, na verdade, eram os protagonistas do teatro da vida real onde também eram explorados, enganados e humilhados. E, tal como na peça, o seu governante também lhes dava, de quando em quando, um arraial para se divertirem.

Reinaldo Ribeiro – 30/10/2010

One Response to O Espetáculo

  1. Antonio José Zuzarte 21 de Maio, 2019 at 18:33

    O teatro da Vida é na verdade bem duro para tanta gente, por todo o Mundo fora…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

AUDITÓRIO COSTA DA CAPARICA

  1. 27SepLancamento do livro 'Contos e Encantos da Caparica"
  2. 05OctJoão da Ilha
  3. 11OctTeatro - "Quero ir prá Ilha "
  4. 12OctConcerto do Jair Mozart
  5. 25OctFilipe Salgueiro
  6. 26OctFilipe Salgueiro
  7. 27OctFilipe Salgueiro
  8. 09NovCAPARICA JAZZ
  9. 15NovTeatro - "Volta a Portugal em Revista"
  10. 23NovTeatro Infantil
  11. 29NovFilipe Salgueiro
  12. 30NovFilipe Salgueiro
  13. 01DecFilipe Salgueiro
  14. 14DecConcerto Magano

GANDAIA CLUBE

  1. 28SepLançamento do livro "Memórias de uma Menina que se tornou Mulher" d

NOTÍCIAS NO EMAIL

Para receber no seu email o nosso BOLETIM SEMANAL Introduza aqui o seu endereço eletrónico...

Pin It on Pinterest