Santos: Raízes Profundas

By  | 12 de Junho, 2019 | 0 Comments | Filed under: Notícias

Existem diversas teorias que procuram decifrar a origem do S. João em Almada. Se por um lado as festas de S. João podem ser consideradas cósmicas, daí a sua ligação ao solstício de Verão e aos campos, por outro são histórico-religiosas, pois o dia 24 de Junho será o dia do nascimento do Santo.

No entanto, a imagem de um S. João “austero” é negada pelo carácter popular que as festividades assumem. A festa, extrovertida e popular, pela grande variedade de aspectos que apresenta e riqueza da sua problemática e das suas significações, nomeadamente no que se refere às virtudes das ervas, do fogo e das águas nessa noite, às fogueiras e banhos rituais e práticas divinatórias, relacionadas sobretudo com o casamento, a saúde e a felicidade, dão a imagem do S. João “casamenteiro” e por vezes “brejeiro”.

As razões apontadas para a rápida integração das marchas no calendário da cidade carecem de sustentação, mas sabe-se que reforçam a identidade e alimentam a competição com base em antigas rivalidades bairristas. Tendo em conta esta necessidade de ligação com o passado, as comemorações oficiais são inicialmente o núcleo central que serve de pretexto para convocar os momentos eleitos da história e para consolidar esta nova prática social.”

O Sector de Acção Cultural da Câmara Municipal de Almada, após investigação, destaca uma hipótese que não pretende ser completa, nem conclusiva. Acredita-se que estas festas serão as herdeiras das comemorações do solstício de Verão, que se festejava no dia em que a Igreja Cristã definiu como o dia do nascimento de S. João, para talvez, de alguma forma aproveitar a grande adesão popular a estas festas, transformando-as, ou pelo menos tentando, em manifestações de fé cristã. O que em Almada falhou, na nossa opinião redundantemente, porque ao longo dos tempos, a comunidade cristã mais consequente, sempre esteve afastada da própria procissão do S. João, enquanto o resto da população era o “motor” que ao organizar e ao impor a sua organização levava a que esta tradição antiquíssima se não perdesse, mas ao mesmo tempo impunha na própria festa cristã, todos os ritos pagãos, dos frutos, da vinha das ligações amorosas.

A discussão à volta da vocação das marchas e da sua viabilidade futura esteve sempre latente. Já nos anos noventa, se questionou a sua eterna vocação “passadista” e o alegado desfasamento deste tipo de festividades em bairros com os de antigamente. Apesar disso, as marchas resistem, mais ou menos populares, com o espírito de despique bairrista intacto.

About 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

AUDITÓRIO COSTA DA CAPARICA

  1. 28JunConcerto Mário Gramaço
  2. 14SepV Encontro de Narração Oral de Almada
  3. 15SepV Encontro de Narração Oral de Almada
  4. 05OctJoão da Ilha
  5. 25OctFilipe Salgueiro
  6. 26OctFilipe Salgueiro
  7. 27OctFilipe Salgueiro
  8. 15NovTeatro - "Volta a Portugal em Revista"
  9. 29NovFilipe Salgueiro
  10. 30NovFilipe Salgueiro
  11. 01DecFilipe Salgueiro
  12. 14DecConcerto Magano

GANDAIA CLUBE

  1. 13JulApresentação do livro de poesia "Pacto" da autoria de Miguel Almeid
  2. 28SepLançamento do livro "Memórias de uma Menina que se tornou Mulher" d

NOTÍCIAS NO EMAIL

Para receber no seu email o nosso BOLETIM SEMANAL Introduza aqui o seu endereço eletrónico...

Pin It on Pinterest