Na morte de Maria Keil…

By  | 22 de Junho, 2012 | 0 Comments | Filed under: Artes, por Teresa Sales


Maria Pires da Silva Keil do Amaral, nasceu em Silves a 9 de Agosto de 1914 e morreu em Lisboa a 10 de Junho de 2012. Foi uma das grandes artistas portuguesas, cuja vasta e multifacetada obra atravessa grande parte do século XX e a primeira década do XXI.

Maria Keil obtém formação inicial na Escola de Belas Artes, onde foi aluna de Veloso Salgado, curso que no entanto não termina. Porém em 1939, começa a trabalhar no Estúdio Técnico de Publicidade onde conhece Carlos Botelho, Ofélia e Bernardo Marques. No âmbito da publicidade, cria em 1941, um anúncio para a cinta Pompadour[i].

Casada com o arquiteto Keil do Amaral ”vive rodeada de arquitetos como a pintora refere”[ii]. Estas duas experiências conduzem-na a uma obra multifacetada caracterizada por várias técnicas artísticas: pintura, desenho, ilustração, decoração de interiores, tapeçaria, gravura, cerâmica, artes gráficas e azulejo.

Faz cenários e figurinos para o Grupo de Bailados Verde Gaio. Elabora cartões para tapeçarias, nomeadamente para a de Portalegre.

A artista integra o 2º Modernismo e como é apanágio dos modernistas desta geração colaborou em revistas, como ilustradora nomeadamente: Panorama, Seara Nova, Vértice, Eva. Ilustra numerosas obras especialmente livros para crianças. Publica 5 livros, sendo três deles para crianças e 2 para adultos.

No início da sua carreira confrontam-se duas linhas programáticas: por um lado a pintura e o desenho, por outro aquilo a que hoje se poderia chamar de designer, dentro de um contexto afeto ao Modernismo, buscando uma nova linguagem relativamente aos objetos e às artes ditas decorativas. Assim em 1941, recebe o prémio de Revelação Souza-Cardoso, do SPN (Secretariado de Propaganda Nacional), com um auto-retrato. Participa nas exposições da Sociedade Nacional de Belas Artes, de Lisboa, entre 1946/1956. Paralelamente, em 1948 encontramos Maria Keil como decoradora de interiores na Pousada de S. Lourenço, na Serra da Estrela.

Nos anos 50 do século passado, dá-se uma viragem na sua carreira, Maria Keil irá dedicar-se à composição de azulejos, “sentindo a necessidade de participar numa mudança de mentalidade em Portugal…fazer quadrinhos, diz Maria Keil, não ia alterar nada, fazer coisas para a arquitetura permitia estar ao alcance de toda a gente”[iii]. A experiência de lidar com a espacialidade arquitetónica, levam-na à execução de murais, frequentemente em colaboração com o marido o arquiteto Keil do Amaral. Participa com um mural alusivo aos Monstros Marinhos na Exposição do Mundo Português, em 1940. Produz em azulejo a decoração do aeroporto de Luanda, bem como da delegação da TAP em Paris.

Será através do azulejo que Maria Keil ficará indelevelmente ligada ao espaço público e à cidade de Lisboa, com duas obras de grande envergadura e de impacto visual: o painel de azulejos O Mar, para o bloco de edifícios da Av. Infante Santo e a decoração das primeiras estações do metropolitano de Lisboa.

O bloco de edifícios da Av. Infante Santo, é um projeto de grande envergadura do arquiteto Alberto Pessoa, inovador para a época (1954-1958), na forma como articula a malha urbana com os volumes arquitetónicos. Não é a primeira vez que Maria Keil, intervém com painéis de azulejos em projetos de arquitetura, mas é seguramente o primeiro trabalho de grande impacto e de onde apresenta uma grande maturidade artística. A sua obra desenvolve-se a partir do projeto arquitetónico, podendo-se constatar uma unidade de conceção. A linguagem pictórica reporta-nos ao ideário da época, a geometrização/estilização tanto da figura humana como dos objetos. E, onde a pintura tira partido da fusão entre fundo e figuração.

Projetou a decoração de azulejo das estações do metro, concebidas pelo marido e uma vez mais a decoração azulejar partiu do projeto arquitetónico. As estações foram inauguradas em 1959: Entrecampos, Campo Pequeno, Picoas, Rotunda, Parque, S. Sebastião, Palhavã, Sete Rios e Restauradores. Numa 2ª fase com a ampliação da rede do metro, projeta as novas estações do Rossio, Socorro, Intendente, Anjos, nos anos 60. Novamente em 1972, tem a seu cargo a decoração das estações de Alvalade, Roma, Areeiro, Alameda e Arroios. Em azulejos de padrão geométrico, Maria Keil previu o olhar de quem se movimenta nos corredores e estações, dotando-as de um sentido rítmico criado pelo desenho e pela cor.

Com a ampliação das estações do metro, a partir de 1977, a maioria dos painéis foram destruídos. Porém, volta em 2009, a trabalhar na decoração da extensão da estação de S. Sebastião da Pedreira, com o arquiteto Tiago Henriques.

Em 1970, a azulejaria que fez para o metropolitano “esteve presente na Exposição de Azulejaria Contemporânea, organizada na Fundação Calouste Gulbenkian”[iv] Em 1989, o Museu Nacional do Azulejo, dedicou-lhe uma exposição monográfica ao seu trabalho.

Em 23 de Maio de 2012, Maria Keil recebeu o prémio “Obra de vida” atribuída por SOS Azulejos, numa homenagem onde foi projetado um filme sobre a sua obra, da autoria de Hugo Santos.

De “suave trato”[v], conforme a descreve a jornalista Maria Augusta Seixas, Maria Keil era também uma mulher de grande generosidade e atenta aos problemas sociais.

O seu talento contribuiu para humanizar a vida na cidade, tornando-a mais aprazível para quem nela deambula. Transformou paredes de cimento em espaços acolhedores. E noutras, fez delas murais, que ainda hoje, podem ser admiradas e que se tornaram com a patine do tempo, num verdadeiro ex-libris da cidade de Lisboa.


[i] Luísa Arruda, Azulejaria nos séculos XIX e XX, in História da Arte Portuguesa, Vol 3, Temas e Debates, Lisboa, p. 429.

[ii]Idem e Ibidem.

[iii] Citando Luísa Arruda, Idem, p. 430

[iv] Idem, p. 431

[v] Entrevista efetuada por Maria Augusta Seixas para a RTP há já alguns anos

About 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

AUDITÓRIO COSTA DA CAPARICA

  1. 16JunLançamento do livro de Ana Rodrigues
  2. 28JunConcerto Mário Gramaço
  3. 14SepV Encontro de Narração Oral de Almada
  4. 15SepV Encontro de Narração Oral de Almada
  5. 05OctJoão da Ilha
  6. 25OctFilipe Salgueiro
  7. 26OctFilipe Salgueiro
  8. 27OctFilipe Salgueiro
  9. 15NovTeatro - "Volta a Portugal em Revista"
  10. 29NovFilipe Salgueiro
  11. 30NovFilipe Salgueiro
  12. 01DecFilipe Salgueiro
  13. 14DecConcerto Magano

GANDAIA CLUBE

  1. 13JulApresentação do livro de poesia "Pacto" da autoria de Miguel Almeid
  2. 28SepLançamento do livro "Memórias de uma Menina que se tornou Mulher" d

NOTÍCIAS NO EMAIL

Para receber no seu email o nosso BOLETIM SEMANAL Introduza aqui o seu endereço eletrónico...

Pin It on Pinterest