Pobreza, uma consequência da crise do capitalismo

By  | 25 Novembro, 2012 | 0 Comments | Filed under: No Meio da Coisa, por Jorge Esteves, Notícias, OPINIÃO

Pobreza é a condição de não dispor de meios ou de verba suficientes que permitam a satisfação das necessidades. Existem diferentes tipos de pobreza tais como pobreza absoluta, pobreza relativa e pobreza subjectiva. Pobreza absoluta, é quando se carece dos meios para satisfazer as necessidades básicas humanas e é o pior tipo de pobreza.

A pobreza que experimentamos hoje, é sistémica e está relacionada com a desigualdade na re-distribuição económica e com a deplecção das reservas naturais não renováveis, principais motores do capitalismo selvagem a que se junta a fraude financeira da banca, que pôs fim ao sonho keynesiano, evidenciando a incapacidade do capitalismo para satisfazer as necessidades da maioria da população.

Daí, advém um aumento exponencial de desemprego e do emprego precário, do assalto sistemático aos direitos dos trabalhadores e cortes nos salários e subsídios, aumento de impostos, cortes nas pensões e outras prestações sociais que têm por objectivo o empobrecimento das populações do sul europeu para níveis idênticos aos das populações dos países emergentes como a China a Índia e a América Latina, por forma a incrementar a competitividade tão cara ao capitalismo de mercado

Para acabar com a pobreza e o desemprego, seria seria necessário implementar políticas sociais de acordo com as necessidades da população bem como a transferência de riqueza da burguesia capitalista para as classes assalariadas e além disso seria preciso que as fontes de riqueza social que são o producto do labor de milhões de trabalhadores, fossem propriedade social. Só quando a espinha da economia fôr pública, ou seja as grandes empresas e a grande propriedade fundiária,  é que teremos o controlo das fontes de criação de riqueza e será possível uma planificação de acordo com as necessidades sociais e uma restauração do meio ambiente. Como isto vai contra a política capitalista-selvagem, continuaremos a caminhar para um empobrecimento cada vez maior, porque não é possível democratizar a empresa capitalista.

É neste contexto e prevendo o agravamento da situação, devido à desastrosa política  económica do governo,  que surge a ideia das hortas comunitárias como forma de aliviar a necessidade de muitos, que neste momento já se encontram a passar fome, a avaliar pelo crescente número de pessoas que procuram ajuda alimentar no centro paroquial e de outros que recorrem a familiares e amigos, proporcionando a quem necessite e queira, um meio de produzir alguns alimentos, aliviando assim a total dependência da caridade institucional, implementando uma actividade e novos conhecimentos que serão uma mais-valia num futuro próximo e encorajando uma atitude pró-activa, colectiva e solidária que poderá servir de pivôt para novos empreendimentos deste tipo.

Print Friendly

About 

Profissão: operário da vida Naturalidade: planeta terra Raça: humana Orientação sexual gay Idade: a que me quiserem atribuir Actividade profissional: desempregado/precário Actividades desportivas: cicloturismo, canoagem, escalada, tracking, vida ao ar livre, viagens, etc. Do que gosto: livros, conversas animadas, companheirismo, aventura, bom vinho, boa comida, participação activa em projectos sociais/culturais/políticos, cooperativismo, etc. Do que não gosto: trabalho precário, conversa mole, hipocrisia, chico-espertice, discriminação, desportos de competição, etc. Interesses intelectuais: philosophia, historia, política, sociologia, linguistica, entre outros.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.

AGENDA

Loading...