Cimentados

By  | 2 Janeiro, 2013 | 1 Comment | Filed under: António Barra, Notícias, OPINIÃO

Cimentados

 

Assim, devagar
Sem pressas
Foram sendo cimentados
Os livros
A vida
As sombras
O tempo

O cimento eterno
Que nos une e empareda
Nos bloqueia e estrutura
Nos obriga e nos protege
Sem explicação
Sem permissão
Tanta ilusão

Sim o mesmo
O mesmo que nos cola
Que nos cola às letras
Que nos cola às linhas
À beleza
Aos amigos
O mesmo

Essa areia subtil
Que nos tolda o olhar
Os sentidos
Que tudo engole e transforma
Que tudo molda e reduz
Que nos consome
Essa areia

Colecionamos
Catalogamos
Exibimos
Os livros
As pessoas
Os sentimentos
Tudo

Na esperança
Na infinita esperança
De nos entendermos
De não nos perdermos
Nas linhas
Nas folhas
Nas capas

Chegamos a acreditar
Acreditamos
Por vezes
Muitas vezes
Que somos o milagre
No milagre
Na imortalidade

Se não …
Pelo menos
Na água
Sim, ela sim
Vai redimir-nos
Perdoar-nos
Lavar-nos

Esquecendo
Esquecendo a ganância
O ódio
A mesquinhês
A arrogância
A traição
O que não queremos ver

O que não queremos ser
Esta areia
Esta água
Esta cola
Que nos cimenta ao papel
E que nos deixa
Viver

António Barra – TZ

Escrito inspirado no livro “A casa de papel” de Carlos María Domínguez

One Response to Cimentados

  1. António Fonseca 4 Janeiro, 2013 at 10:54 AM

    Cimentado em ti é o amor pelas letras através de um olhar poético dos sentidos e da vida que nos(me) surpreende; e a escrita clara de quem sabe o que e como transmitir uma ideia, um sentimento, sem adornos desnecessários e muitas vezes patéticos!
    Um abraço
    A:Fonseca

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


AGENDA

Loading...

CALENDÁRIO


Pin It on Pinterest