A Incrível e Triste História de Portugal e Seus Políticos Desalmados

dia de portugalOs políticos são todos iguais? Claro que não. Constituem uma espécie nociva que se deve exterminar? Claro que não. Os partidos são uma degenerescência das sociedades? Claro que não. Políticos e partidos são o suporte da democracia e, pessoalmente, acredito que a democracia, com todos os seus defeitos, é o melhor sistema político jamais criado pela humanidade.

Dito isto, Portugal tem tido enormes problemas com a sua classe política. Isto é outra maneira de dizer que os Portugueses têm problemas profundos para resolver, pois  é claro que os nossos políticos não são criados a partir de uma incubadora tenebrosa e educados numa instituição longínqua, separada da nossa sociedade. Não. Somos todos nós – a nossa sociedade – que se reflete na política e nos políticos.

Aquilo que criticamos nos distantes membros do governo e nas suas ações, podemos também encontrar logo ali no virar da esquina. Se não podemos demitir o ministro que aldraba e vigariza, podemos, pelo menos, mostrar má cara ao vizinho que aldraba e vigariza ou, no mínimo, demonstrar que ele não é merecedor do nosso respeito. Porém, não o fazemos. Temos até a vaga ilusão de que a nós não nos enganou, “não é nada comigo”, pensamos. Obviamente, não só é um engano, como dá no que estamos a ver.

O pior é que se reagimos assim com a coisa pública, desfalques em institutos e empresas públicas, mas também em associações, sindicatos e clubes desportivos, só para dar exemplos do “não foi a mim”.

Pelo contrário, já existe uma reação imediata e eloquente se uma garota usa uma mini saia mais arrojada na escola, ou dois namorados dão uma beijoca mais repenicada em público: isso é que é ultraje!

Numa entrevista que fiz há pouco tempo, um velho pescador confessava que na Costa sempre fomos desunidos, porém, quando havia algum problema com alguém de fora, todos se juntavam. Já os romanos comentavam que nós não nos sabíamos governar, mas também não nos deixávamos governar.

Assim, tomei de empréstimo o título de Gabriel Garcia Marquez, autor incomparável do realismo fantástico. Como se vê, é mais do fantástico do que do realismo pois, acreditem ou não, estes senhores que “lá” estão agora, imaginem quem os elegeu?

Dá para entender? Claro que não. Mas entendamos ou não, vamos pagá-las, ai vamos, vamos…

 

2 thoughts on “A Incrível e Triste História de Portugal e Seus Políticos Desalmados

  • 8 de Agosto, 2013 at 16:04
    Permalink

    Tal como diz o António, e bem, precisamos de mais cidadania.
    Mais cidadania, quer dizer maior capacidade de decisão sobre o nosso presente e futuro.
    Não deixarmos que decidam por nós. Não deixarmos que pensem por nós. Não deixarmos que sejam responsáveis por nós.
    Mais cidadania implica mais descentralização de poder e de meios para exercer as tarefas que essa descentralização exige.
    Mais cidadania implica envolvermos-nos mais na resolução dos problemas que a todos dizem respeito, mas é também sentir que a nossa opinião conta e que a opinião do meu vizinho também é valida. Cidadania é procurar unidade e consenso. Temos por isso um longo caminho a percorrer.
    Sem dúvida que a democracia é o melhor sistema que a humanidade encontrou até agora, mas temos que ir mais longe e perguntar, qual é a qualidade de democracia que temos?
    E essa qualidade só é mesorável pelo grau de satisfação dos cidadãos com as políticas e os seus representantes, essa qualidade só é mesurável pelo grau de participação do cidadão nas decisões políticas que são tomadas e que vão afectar a sua vida. Por favor mais cidadania, por favor mais democracia.

    Reply
  • 12 de Julho, 2013 at 10:28
    Permalink

    é verdade que na hora de votar, para os que votam ( não esquecer o grande abstencionismo…) o eleitor sente-se encurralado olhando para as opções(?) do boletim onde alguns, poucos, encontram eco das suas ideias mas a grande maioria vai pelo mal menor… de facto nós elegemos esta gente, são parte de nós mas, tal como a escola molda o carácter e o saber das pessoas também as “escolas partidárias”, as “jotas” moldam o carácter político dos jovens velhos políticos… é confrangedor ouvir os jovens dos partidos, parecem-me fotocópias de má qualidade dos seus mentores!
    Tenho ouvido dizer que é moda mas, o que precisamos mesmo, além da honestidade e competência, é de CIDADANIA!

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pin It on Pinterest