Arte-Xávega na Meia-Praia: A Companha de José Bala

Bala
José Bala, o Arrais da Companha

diaAinda não é dia e quase 60 pessoas – a companha de José Bala – empurram o “José Fernando” num caminho feito de pequenos troncos para ajudar o avanço da embarcação pela areia ao encontro do mar doce da Meia Praia .

Apenas José Bala e mais dois camaradas vão no barco que se afasta da praia sob os olhares atentos de toda a companha, soltando mais e mais cala, até ficarem suficientemente longe da praia e começarem o seu trajeto paralelo largando as duas asas da rede, com o saco no meio.

cinto
Orgulho no cinto…

Na praia, todos ostentam orgulhosamente a cinta com que mais tarde irão proceder ao calamento, o puxar da cala – da corda – e depois da rede, até chegar o saco.

Conversa-se sobre tudo e sobre nada ao mesmo tempo que se observa com atenção a evolução da lancha lá no longe do mar, todos expectantes, um olho no barco e na rede, outro no balde onde mais tarde levarão a sua parte de peixe.

Calamento
Calamento…

São muitos, de todas as idades, mas a maioria já com os cabelos brancos a denunciar a experiência. Como mais tarde um jovem de chapéu da moda e barbicha verde confessava “isto é um serviço social, primeiro, dá exercício a muitos idosos, depois, dá de comer a muitos que estão encalhados na vida”.

Nota-se que no meio também há banhistas, turistas e curiosos, mas que não precisam da Xávega para sobreviver.

O “José Fernando” começa, finalmente o seu caminho de regresso trazendo a Cala Barca na mão de Manuel Pacheco, que desembarca para ficar a coordenar as operações em terra, enquanto José Bala, sozinho regressa de novo ao longe, acompanhando a evolução da rede pelo mar, com especial atenção ao saco, que mais tarde irá aparecer, carregando consigo o peixe e todas as expetativas da companha.

Calamento1Inicia então o tradicional e característico “bailado” da “Arte-Xávega. Com um pequeno jeito, junto ao mar, enlaça-se a corda da cinta na cala e puxa-se vagarosa e ritmadamente pela praia fora até ao ponto onde se vai enrolando a corda. Volta-se então à borda de água e volta-se a enrolar a cinta e entrar na fila de homens e mulheres que insistem em lavrar o mar, puxando a rede lentamente, desde lá longe, mar fora, atravessando as ondas e os tempos.

Manuel Pacheco, vai dando ordens, força, mais para aqui, força, unindo pouco a pouco as duas filas de caladores. É da Meia-Praia e tem 67 anos. Há vinte e tal anos que anda nesta vida. Antes, chegou a acumular com um emprego estável na Câmara Municipal de Lagos, mas agora está reformado. Reconhece, porém, que “não quer outra coisa”.

saco
O saco com a pescaria…

Finalmente, quase em apoteose da curiosidade, chega o saco à areia e à vista de todos, retangular, marulhante de peixe prateado. Que é pouco, que não é muito, que podia ser mais, que noutro dia eram toneladas. Mas há satisfação na cara de todos.

Chega também finalmente, José Bala e o “José Fernando”, que encalha suavemente na areia. Manuel Pacheco começa logo a invetivar a companha para levar o barco para cima e deixá-lo varado na areia. Lá voltam a construir o caminho de pequenas traves de madeira, lá se encostam todos novamente a empurrar o barco areia acima.

Reage com surpresa quando lhe dizemos que há muitos que pensam que a Xávega morreu no Algarve. “Morreu? Tenho esta licença há 112 ou 115 anos, já vem da família, nunca se parou.”

ManuelGoncalves
Manuel Pacheco,o Mestre de terra…

Ao mesmo tempo confere se todas as operações estão a correr como seria de esperar. Continua: “já não usamos o Calão, o barco tradicional, mas aquele que está no Museu de Marinha era desta companha, agora é com este mais pequeno, que exige menos gente e menos força”.

Parece que ouviam. Gritam força, força! E o “José Fernando” lá vai subindo com esforço, todos a olhar o saco e a fazer cálculos ao peixe que irá encher – ou não – o balde que trouxeram. Ouve o rapaz com o chapéu da moda e concorda. “estes velhotes? tiro-lhes dez anos de cima!” comenta. Mas vararlamenta-se da incompreensão, dos obstáculos, de não lhe darem licenças apropriadas criando problemas ao seu trabalho e apresenta o cúmulo: “se não vender 6300 euros de peixe na lota no fim do ano cancelam-me a licença! Como pode isto ser? O peixe vai todo para o pessoal, mal dá para se comer!”

José Bala tem 62 anos, nasceu na Meia-Praia e anda na xávega desde os 12. Conheceu Pacheco na tropa e, também ele teve outros mesteres, “mas sem nunca largar o mar… Se me tirassem o mar morria!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Pin It on Pinterest