PCTP/MRPP: Candidato à CMA – Domingos Bulhão

Domingos Bulhão 350CurriculoQual a posição em relação ao CostaPolis? Nomeadamente quanto às alterações solicitadas pela população: o Terminal do Transpraia no Centro da Cidade, o Largo da Tábua com nova configuração e sua usabilidade (incluindo o Terminal), o pavimento da Rua dos Pescadores (por ex. calçada portuguesa), reordenamento do Largo da Liberdade, arborização do meio urbano, Bairro do Campo da Bola, parques de Campismo, etc.

Em relação ao programa Polis, é muito simples o problema não é de agora mas sim desde o seu inicio porque não ouviu os moradores / utilizadores e as organizações locais que são de facto quem conhece as dificuldades e os problemas existentes e não resolveu nenhum dos problemas da Costa de Caparica bem pelo contrario agravou-os, e com a extinção da empresa Costa polis abrindo assim o campo para e entrada em cena da Ecalma na caça a multa impedindo assim os Almadenses que tinham por habito dar um passeio á beira-mar aos fins-de-semana de o fazer.

No que diz respeito ao terminal do Transpraia, lutaremos para que ele regresse ao local de origem apoiando todas as forças vivas da cidade que lutem por esse objetivo.

Em relação à rua dos pescadores, largo do mercado ou seja todo o centro da Costa de Caparica e zonas envolventes necessitam de ser requalificadas em benefício dos moradores e quem nos visita.

Desde sempre que o PCTP/MRPP têm estado e apoiado a luta que os moradores do bairro do campo da bola e seus organismos têm travado pela sua legalização continuaremos a lutar por esse objetivo.

Os parques de Campismo são estruturas que fazem falta. A sua utilização já é algo dispendiosa mas ainda assim é a única forma que a maioria dos nossos reformados com parcas condições económicas têm para gozarem umas férias minimamente condignas neste momento existem na costa de Caparica vários que necessitam urgentemente de requalificação.

 

A erosão costeira e a alimentação de areia nas praias. Sem areia não há praias, sem praias não há turismo e a própria cidade perde as suas defesas naturais. Está disponível para combater mais construção pesada na Costa da Caparica, defender as dunas e alimentar as praias de areia?

A erosão é uma realidade mas não é com mais ou menos areia sem um estudo profundo da realidade que se resolve o problema como bem se tem visto porque o que temos de combater são os interreses de quem tem beneficiado com a alimentação constante nas praias sem que o problema fique resolvido.

Nos o que precisamos é de construção acessível aos trabalhadores para que os seus filhos se possam fixar na sua terra e criar condicçoes para o desenvolvimento através do turismo aproveitando todas as potencialidades de que esta nossa magnífica terra dispõe e tão mal tratada tem sido pela vereação CDU da Camara Municipal de Almada.

Qual a sua posição em relação aos bairros clandestinos nas Terras da Costa?

O PCTP/MRPP é contra os bairros clandestinos nas terras da Costa e TODOS os bairros clandestinos do nosso Pais, o Problema é o que está na sua origem, já que os seus moradores são vítimas do desemprego fome e miséria em que são atirados por políticas reaccionárias que exploram os seus moradores na maioria imigrantes sem direitos a quaisquer condições de vida.

Qual a sua posição em relação ao terminal de contentores na Trafaria?

A decisão governamental de escolher (impor) a Trafaria para a instalação dos contentores, presentemente situados em Lisboa, deve ser examinada antes de tudo à luz da questão de fundo de saber quem manda no estuário do tejo e quem deve decidir sobre a organização do Porto de Lisboa e utilização das zonas ribeirinhas das margens norte e sul do rio – ora nesta matéria, ao contrario do que o meu Partido têm defendido a criação de uma Região especial e autonoma de Lisboa, com um governo próprio que una os concelhos de Torres Vedras a Setubal e resolva de forma integrada os problemas dessa região entre os quais o do Porto de Lisboa-as sucessivas vereações camarárias de Almada e Lisboa têm-se demitido de reclamar e assumir para si os poderes sobre as zonas portuárias e decidir de forma conjunta sobre a respectiva utilização o que para nós é totalmente inadmissível à partida é que se aceite uma imposição feita pelo governo que resulta alias de negociatas e de outors interreses que não o das populações das duas margens.

O problema é pois mais fundo do que saber como é que se assegura o transporte da maioria da carga de contentores para o norte do País ou opor se a que a colocação desse equipamento na Trafaria tenha um impacto desastroço em terrenos paisagísticos e não só para a Margen Sul.

Qual a sua posição em relação aos acessos à Costa, seja na rede viária, seja na rede de transportes?

Em relação aos acessos à costa de Caparica, em meu entender é um crime o metro Sul do Tejo não chegar à Costa, como sempre defendi. Mas o Metro foi construído sem ter em conta as necessidades dos almadenses. Como foi possivel construir o Metro sem passar pelo Hospital Garcia de Orta, sabendo nós as dificuldades que é para se chegar ao Hospital de transportes públicos.

Somos claramente contra as portagens existentes nas novas vias que nos levam à Costa e Trafaria, etc.

Os parquimetros na costa, como em toda a cidade em Almada, são um entrave ao desenvolvimento do concelho, pelo que prejudicam o comércio local, afastando as pessoas dos centros, por isso defendemos a extinção da Ecalma e criar outras formas de controlar o estacionamento, nomeadamente, aproveitando os vários parques subterrâneos com taxas gratuitas nas primeiras horas.

Segurança. Na cidade, nas praias e nos estacionamentos. O que considera que as autarquias podem fazer?

Relativamente à segurança no concelho de Almada, a autarquia pode e deve fazer tudo, desde logo utilizando os meios existentes, nomeadamente não cometer o erro que é de acender a iluminação pública a horas tardias e apagá-las ainda noite escura.

Higiene e Saneamento. Como pensa lidar com as questões sazonais? Planeia limpar as praias? Com que periodicidade e sazonalidade?

O problema da recolha do lixo na cidade não se coloca só na época balnear, mas sim todo o ano, porque a politica praticada pela câmara municipal de Almada, neste âmbito, é um desastre. Para resolver este e outros problemas defendemos a criação da região especial de Lisboa, que vai desde Torres Vedras a Setúbal, que trate de uma forma integrada e efectiva do problema comum que enfretam as populações dessa região, seja na criação e apoio às actividades económicas, nos transportes e rede viária, no abastecimento de água, gás e electricidade, na construção e preservação do parque habitacional, no saneamento, etc.

Qual o plano de reforço do lazer na Costa da Caparica? Percurso de Manutenção no Paredão? Grande parque Infantil? “Half Pipe” e parede de escalada? Programa de animação? Feiras? Concertos e Festivais? E para o crescente fenómeno do Surf, que estratégia?

Queremos dar apoio municipal prioritário às acções e construção e manutenção de esquipamento destinado às crianças, aos idosos e aos cidadãos com deficiência.

Como pensa apoiar a Cultura na Costa da Caparica? Nada, tudo em Almada? Apoiar as iniciativas locais como a Gandaia? Como pensa apoiar e divulgar a cultura local, como a Arte-Xávega (palheiros, meia-lua, etc.)

A cultura tem de ser uma das prioridades dos eleitos locais. São eles que melhor conhecem a realidade local e por isso têm de ser agentes activos da promoção e apoio das actividades culturais, desportivas e de lazer. Reconhecemos o papel que o Gandaia tem assumido nesta matéria.

Construção de Infra-estruturas:

Relativamente às infra-estruturas é importante reformular a rede de apoio social infantil e apoio à terceira idade.

 

Notícias da Gandaia

Jornal da Associação Gandaia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pin It on Pinterest