Ficha de leitura: A Casa de Papel de Carlos Maria Dominguez

FICHA DE LEITURA
 
TÍTULO DA PUBLICAÇÃO: A Casa de Papel
AUTOR(ES): Domínguez, Carlos Maria
EDIÇÃO: 1a. ed. 2006
EDITORA: Edições Asa
Nº DE PÁGINAS: 78
DATA DE LEITURA: 16/10/2012

NOTAS SOBRE O AUTOR:

Carlos Maria Domínguez nasceu na Argentina mas imigrou para Montevideu em 1989.

Romancista, crítico literário e jornalista. Prémio Nacional do Ministério de   Educação e Cultura do Uruguai. A Casa de Papel obteve o prémio “Lolita Rubial”.

 RESUMO / ARGUMENTO:

Bluma Lennon, distinta professora de literatura Latino-Americana em Cambridge e colega do narrador morre atropelada ao atravessar uma rua no Soho enquanto lia um poema de Emily Dickinson. O narrador, após a morte de Bluma recebe um exemplar de A Linha da Sombra de Conrad, J., o qual é central ao texto de Dominguez, endereçado à falecida e vindo do Uruguai, que devido ao seu mau estado de conservação, nomeadamente o apresentar restos de cimento, desencadeia no narrador o interesse por conhecer o secreto remetente. Na sua viagem à Argentina, o narrador aproveita para ir ao Uruguai, encontrar-se com Brauer e devolver-lhe o exemplar mas este havia desaparecido e poucas pessoas pareciam conhecer os seu paradeiro. Eventualmente o narrador acaba por encontrar alguém que lhe desvenda o mistério à volta do personagem Brauer que acontecia ser um leitor e colecionador obsessivo que tinha a ambição de ordenar a sua biblioteca por sentimentos e afinidades entre os autores, o que durante muito tempo lhe ocupa a existência até que um acidente lhe destrói todas as referencias, e instala o caos no seu universo mental.  Em vez de recomeçar de novo o registo da biblioteca, toma uma atitude radical e retirando-se para um local desolado no Uruguai e dando aos livros uma nova função.

O golpe final, foi o pedido de Bluma para lhe devolver o exemplar de Conrad, o que teria sido fácil se o catálogo existisse, tornou-se numa tarefa quase impossível, o que não o impede de tentar e o livro acaba por chegar a Inglaterra.

A obra menciona também livros como os de Hemingway, Dumas, Balzac, Faulkner, Amado, Borges, entre outros, os quais eventualmente terão mudado as vidas dos seus leitores e reflecte sobre a leitura e os livros enquanto objectos e transporte de ideias, apontando para o perigo de loucura a que se sujeitam alguns colecionadores compulsivos.

A Casa de Papel é uma reflexão sobre os leitores e colecionadores compulsivos de livros e a importância que estes exercem nas suas vidas. Todos os personagens do texto são colecionadores ou de alguma forma relacionados com livros. O autor também sugere o perigo que já constituiu possuir livros, nomeadamente em sistemas políticos totalitários.

 

 

 

 

About 

Profissão: operário da vida
Naturalidade: planeta terra
Raça: humana
Orientação sexual gay
Idade: a que me quiserem atribuir
Actividade profissional: desempregado/precário
Actividades desportivas: cicloturismo, canoagem, escalada, tracking, vida ao ar livre,
viagens, etc.
Do que gosto: livros, conversas animadas, companheirismo, aventura, bom
vinho, boa comida, participação activa em projectos
sociais/culturais/políticos, cooperativismo, etc.
Do que não gosto: trabalho precário, conversa mole, hipocrisia, chico-espertice,
discriminação, desportos de competição, etc.
Interesses intelectuais: philosophia, historia, política, sociologia, linguistica, entre
outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


AGENDA

Loading...

CALENDÁRIO


Pin It on Pinterest