O Olho Egípcio dos barcos da Costa da Caparica

By  | 29 de Novembro, 2012 | 1 Comment | Filed under: A Região, Arte-Xávega, História, Notícias


 Pelo Professor Doutor José Sales, Egiptólogo, Pró-Reitor da Universidade Aberta*

  O Olho Egípcio dos Barcos dos Pescadores da Costa da Caparica

 

Creio que se justifica, de facto, a tese da origem egípcia para o «olho» das embarcações, embora nem sempre seja fácil traçar o percurso ao longo dos tempos de tal símbolo-signo.

Ele existe, de facto, bem identificado, no seio da mitologia e da arte egípcia (junto algumas figuras). Segundo a mitologia, morto Osíris, o rei-deus do princípio dos tempos, o trono foi disputado pelo seu filho póstumo (gerado de forma miraculosa) Hórus e pelo seu irmão Set. Os dois rivais envolveram-se numa sangrenta e feroz disputa pela posse do trono do Egipto como herdeiros de Osíris. Esta disputa assume o dualismo característico da luta entre a luz e as trevas, o céu e a terra, o Bem e o Mal.

 

Set, durante uma das lutas, arrancou um dos olhos do sobrinho (o olho esquerdo). Este, por sua vez, arrancou os testículos do tio. Incapaz de se reproduzir, não constituía, pois, uma solução válida para a transmissão do poder e o Conselho dos Deuses decidiu que seria Hórus a merecer suceder a seu pai. Dessa forma, o poder passou de Hórus para os futuros faraós terrestres, concebidos ideologicamente como novos Hórus. No início da época histórica a identificação entre o faraó e Hórus era já total: o faraó era Hórus e vice-versa. Os soberanos terrestres seriam uma reencarnação do deus tutelar da monarquia.

Hórus (Hor) era assim considerado no Egipto antigo como o deus protector da monarquia faraónica, do Egipto unido sob um só faraó do Alto e do Baixo Egipto, e o oponente por excelência de Set. A oposição a Set parece derivar de reais antagonismos políticos pré-dinásticos em que Hórus seria a divindade tutelar do Baixo Egipto e Set a do Alto Egipto. A doutrina de Estado manteve e sustentou esta incarnação do Baixo Egipto por Hórus em oposição a Set, como incarnação do Alto Egipto.

Hórus, era, portanto, o deus hieracomorfo do céu, representado, pois, como um falcão, personificando o próprio céu. Os seus olhos eram o Sol (olho direito) e a Lua (olho esquerdo). «Magoado» o olho esquerdo pelo tio, foi necessário que o deus Tot fizesse um olho substituto.

Como o olho maltratado permaneceu intacto e são, é chamado udjat, que significa justamente íntegro, intacto, são,  completo, saudável. Na arte egípcia, o udjat é um dos amuletos mais comuns, como símbolo apotropaico que protegia contra o mau-olhado e contra perigos iminentes ou imaginários.

Em termos concretos, tem uma forma híbrida: a forma geral e a sobrancelha derivam do olho humano, enquanto as linhas desenhadas por baixo correspondem a um olho de falcão (o animal sagrado de Hórus na mitologia egípcia). É representado em estelas e em especial em sarcófagos, no seu interior ou sobre a imagem de uma porta falsa orientada para Oriente. Tornou-se o símbolo para o estado de perfeição. Tornou-se um signo protector por excelência. Como amuleto, o udjat era também colocado nas faixas das múmias ou usado como colar ou num colar.

 

 

O benfazejo e apotropaico olho restaurado udjat era um dos amuletos mais comuns no Egipto antigo. Ísis, a mãe de Hórus, era uma deusa que recebeu particular devoção na época helenística, em Alexandria, como divindade do mar e deidade dos marinheiros, tendo, nessa condição, conhecido uma considerável diáspora pelo mundo mediterrânico na época romana (tendo chegado até Roma e até à Península Ibérica).

 

Não é de rejeitar que, além dos seus signos próprios (a sítula, o nó de vestuário, etc.), tivesse «trazido» também símbolos associados ao seu filho, neste caso o olho udjat. Verosimilmente, como signo de protecção e de segurança, pode ter sido associado aos marinheiros/ pescadores e à suas embarcações, conhecendo, naturalmente, alguma «evolução» formal, resultante dos «contributos» directos de determinadas comunidades ou práticas.

Susceptível de constituir um campo de investigação futura sobre este problemática da transmissão da simbologia hórica de uma ponta do mundo (Mediterrâneo oriental/ Egipto) para outra (Mediterrâneo ocidental/ Atlântico) está o importantíssimo papel de «agentes culturais» desempenhado pelos Fenícios . Não foi seguramente apenas do ponto de vista económico que este viajantes oriundos da costa dos actuais países da Síria, Líbano e Israel marcaram a história do Mediterrâneo (recordemos apenas o alfabeto que legaram à civilização ocidental)… Por serem grandes navegadores e terem dominado vários pontos comerciais contactaram inevitavelmente com vários povos e várias civilizações, trazendo e levando, de forma consciente ou inconsciente, conceitos, ideias, artefactos, símbolos. A sua profunda ligação ao mar torna plausível que tenham sido particularmente sensíveis à diversa simbologia protectora daqueles que nele se aventuraram ou nele trabalhavam…

 

* Veja aqui Página biográfica do Prof. Doutor José das Candeias Montes Sales, na Equipa Reitoral da Universidade Aberta.

About 

Jornal da Associação Gandaia

http://gandaia.pt

One Response to O Olho Egípcio dos barcos da Costa da Caparica

  1. Gabriel 14 de Julho, 2013 at 14:48

    Muito obrigado por este post, sempre que passava pelo meia lua no centro da costa olhava para aquele simbolo tao bonito e queria saber de onde vinha agora ja sei muito obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

AUDITÓRIO COSTA DA CAPARICA

  1. 27SepLancamento do livro 'Contos e Encantos da Caparica"
  2. 11OctTeatro - "Quero ir prá Ilha "
  3. 12OctConcerto do Jair Mozart
  4. 19OctJoão da Ilha
  5. 25OctFilipe Salgueiro
  6. 26OctFilipe Salgueiro
  7. 27OctFilipe Salgueiro
  8. 08NovJantar Anual da Gandaia
  9. 09NovCAPARICA JAZZ
  10. 15NovTeatro - "Volta a Portugal em Revista"
  11. 23NovTeatro Infantil
  12. 29NovFilipe Salgueiro
  13. 30NovFilipe Salgueiro
  14. 01DecFilipe Salgueiro
  15. 14DecConcerto Magano

GANDAIA CLUBE

  1. 28SepLançamento do livro "Memórias de uma Menina que se tornou Mulher" d

NOTÍCIAS NO EMAIL

Para receber no seu email o nosso BOLETIM SEMANAL Introduza aqui o seu endereço eletrónico...

Pin It on Pinterest