Entrevistar os Maiores

salva-vidasHá aqui duas ideias, ou melhor, uma ideia e uma palavra.Nenhuma delas é nossa, mas podemos muito bem aproveitá-las e torná-las nossas. As boas ideias servem para isso mesmo, para serem adotadas e reproduzidas.

Comecemos pela mais simples: os maiores. Trata-se de uma coisa espanhola. Pode não vir bom vento nem bom casamento, mas isto de chamar maiores aos idosos, aos seniores é uma excelente ideia e ainda melhor prática. É realmente na camada mais antiga da população que fica depositada a memória, a identidade, a origem de muitas coisas. Bem sabemos que a idade também traz contratempos, como a teimosia, a irritabilidade, etc. Seria fácil dizer aqui que não há rosas sem espinhos, mas é muito mais do que isso.

Criar um espaço de compreensão e integração na comunidade para os seus maiores é um enorme bem por muitas e variadas razões, destacando-se a vantagem da integração da sua experiência. É bom recordar que os tempos que estamos a viver são completamente diferentes de tudo o que a humanidade tem vivenciado anteriormente, pelo que a experiência, a capacidade de convocar diversas situações e as suas soluções, é uma enorme mais valia.

Por outro lado, a integração na comunidade daqueles que têm disponibilidade constitui uma reserva de energia que pode fazer toda a diferença.

Este é o nosso caso para os maiores. Em vez de idosos, seniores e muito pior ainda, velhos. Maiores, os nossos maiores!

Agora,a segunda ideia que vem da Newsweek (clique aqui para ver o artigo) em que se defende a ideia de entrevistar as pessoas mais idosas perto de cada um de nós: entrevistar os maiores dos maiores.

O autor desse artigo, , apresenta inúmeras razões, algumas das quais apontando diversos casos em que pessoas ainda vivas são testemunhas em pessoa de acontecimentos históricos. Há realmente pessoas que viram pessoalmente o regicídio, por exemplo, ou a tragédia do “Pensativo”, claro que imensas viram o 25 de Abril de 1974 e o Notícias da Gandaia está já a tentar coligir essas experiências.

Agora, lançamos esta nova iniciativa: Entrevistar os Maiores!

Nas famílias, na vizinhança, por uma ou outra razão, sabemos que alguém assistiu direta ou indiretamente a diversos acontecimentos históricos. Ou, a sua vida, ela própria, constitui uma sequência de fatos que fogem das experiências comuns.

A verdade é que não faltam estes casos, de pessoas que desbravaram continentes, que viveram em inúmeros países…

Ora o desafio é muito, muito simples: façam uma entrevista, com a correta identificação da pessoa, como o nome e a idade, e registam o seu percurso de vida. Tiram duas ou três fotos e já está!

Parece simples e é. Porém, desta forma oferece-se um grande bem à comunidade: por um lado partilha-se esta experiência rica e variada de vida a todos os leitores do Notícias da Gandaia (esse grande órgão de informação), não só os leitores de agora, como os do futuro, pois estes textos podem sempre ser visitados e partilhados.

Essa permanência temporal é outra dimensão importantíssima, é que a experiência dessa pessoa, para além de ser partilhada por toda a comunidade – e não só por aqueles mais próximos que a conhecem pessoalmente – também a colocam disponível ao longo do tempo. É a imortalidade a que podemos aspirar por enquanto.

Finalmente, outra dimensão importante, é que graças a esta disponibilização, estes maiores obtêm uma gratificação social que não seria possível no anonimato. Toda a comunidade reconhece este mérito. Esta dimensão é muito importante não só para a pessoa em causa, mas também para a comunidade. Desta forma são venerados os valores que a comunidade tem como positivos. São, portanto, relevados não só os maiores mas também os próprios valores implícitos.

Não é isso que as comunidades hoje mais necessitam?

Pois então, nada de hesitações! Vamos lá pensar nos maiores que conhecemos, direta ou indiretamente e pensar em entrevistá-los, com duas ou três fotos. Não será este um excelente projeto de verão?

Só para fundamentar com um exemplo, e para que não se fique a pensar que estas coisas só acontecem na América (ou em hollywood), a foto que publicamos, de sobreviventes do Titanic, vem de um artigo sobre os quatro portugueses que faleceram nesse naufrágio. Uma história contada pela neta de uma das vítimas e que vale a pensa ler. Clique aqui para compreender o que se perdia se esta história não fosse contada…

Enviar entrevista e fotos para noticias@gandaia.info

Notícias da Gandaia

Jornal da Associação Gandaia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pin It on Pinterest