Ausência de Tikay

By  | 7 de Novembro, 2018 | 2 Comments | Filed under: OPINIÃO, Reinaldo Ribeiro

Quando Tikay morreu fez-se um inquietante silên­cio nos vastos horizontes daquela região desértica. Foi como a Natureza pranteou a partida de um ser que era uma parte de si mesma.

Com assombro, a mãe leva nos braços o corpo sem vida da criança. Irá enterrá-lo junto de um bolbo carnudo, cuja presença, na aridez, só os olhos experimentados da sua gente descortinam. Ali há água e Tikay não passará sede na sua viagem para a eternidade. Mas nos olhos de Wantla perpassa agora uma nuvem de tristeza.

Ela sabe que Tikay já não habita aquele corpo frágil e que, desprovido do espírito, nada mais é do que uma ausência, uma coisa volátil. Da filha só ficou o corpo inerte, sem vida, como a pele que a cobra deixou para trás entre as rochas.

Tikay desapareceu mas a sua ausência impôs-se. Wantla, paradoxal­mente, sente-a como uma au­sência presente, pois a filha ultrapassou a vivência física do quotidiano e ga­nhou o estatuto de um ser espiritual.

Como mãe, Wantla, soube logo que os deuses – quem quer que eles fossem – lhe tinham roubado o espírito da filha e que o le­varam para outras paragens, onde outros sóis nascem e outras luas ilu­minam a noite. Intimamente, e no meio de uma imensa revolta, amal­diçoou-os. No entanto, a sua dúvida mantém-se: porque teriam os deuses decidido que a morte era o melhor destino para Tikay? Agora ela sabe que a vida breve de Tikay é um trilho – quiçá luminoso – que unirá os dois mundos em que habita.

Tikay, não chegou a atingir os quatro anos de idade. Nasceu algures, perto das montanhas de Tsodillo, nas areias escaldantes do deserto do Kalahari, e viveu do leite materno até então, pois os alimentos que o seu povo obtém pouco sustento têm. No deserto come-se tudo, do quase nada que a Natureza dá, e Wantla não tinha muito para dar à sua filha.

Os seus olhos, secos de lágrimas, de algum modo endurece­ram. Escondem a dor que se instalou bem no fundo do cora­ção, e que para sempre lhe vai comprimir o peito. Ela conhece a impotência, e até o desconforto, da perda irremediável que não a largará mais, pois é fruto dos laços de amor originados numa mesma raiz e regados pela seiva do sangue comum. Talvez o passar dos dias lhe sare as dores, mas ela sente intensamente, na sua solidão mais profunda, o deses­pero que a falta da filha lhe provoca.

E o tempo passou. Depois dos dias vieram os meses e os anos e o seu sofrimento persistiu. Recorreu a tudo o que lhe foi possível para eliminar a angústia e reaprendeu a descobrir a felici­dade oculta, semelhante à que sentia quando desenterrava os bolbos aquosos sob as areias do deserto.

Na solidão ela aprendeu a banir o tempo, e até conseguia ver simultaneamente o passado e o futuro. Nesses mo­mentos vivia uma vida dupla, pois Tikay estava ali, ao seu lado, e crescia, brincava e ria como as outras crianças. Como mãe, via que ela estava viva e que, como qualquer criança do seu povo, também dava amor primeiro, para o receber depois multiplicado por cada membro do seu reduzido universo.

Por tanto amar a filha, Wantla, isolou-se cada vez mais. Já não tentava sair do mundo de felicidade que criara, que lhe im­portava o resto?

Encontraram-na sozinha no seu abrigo. Morta. No rosto distendia-se um sorriso doce de mãe e os seus braços esquálidos como que embalavam a filha, a sua Tikay ausente.

Reinaldo Ribeiro

27/08/2008

2 Responses to Ausência de Tikay

  1. António Fonseca 10 de Novembro, 2018 at 14:41

    belíssimo e comovente texto Amigo Reinaldo, bem hajas pela tua sensibilidade e vontade de partilha, abraço

  2. António Zuzarte 10 de Novembro, 2018 at 11:53

    Mais uma sentida crónica companheiro.Tu escreves com o coração e deixa-nos sempre a pensar… obrigado Amigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

AUDITÓRIO COSTA DA CAPARICA

  1. 27SepLancamento do livro 'Contos e Encantos da Caparica"
  2. 05OctJoão da Ilha
  3. 11OctTeatro - "Quero ir prá Ilha "
  4. 12OctConcerto do Jair Mozart
  5. 25OctFilipe Salgueiro
  6. 26OctFilipe Salgueiro
  7. 27OctFilipe Salgueiro
  8. 09NovCAPARICA JAZZ
  9. 15NovTeatro - "Volta a Portugal em Revista"
  10. 23NovTeatro Infantil
  11. 29NovFilipe Salgueiro
  12. 30NovFilipe Salgueiro
  13. 01DecFilipe Salgueiro
  14. 14DecConcerto Magano

GANDAIA CLUBE

  1. 28SepLançamento do livro "Memórias de uma Menina que se tornou Mulher" d

NOTÍCIAS NO EMAIL

Para receber no seu email o nosso BOLETIM SEMANAL Introduza aqui o seu endereço eletrónico...

Pin It on Pinterest