Ecos da Vida – crónica de Conceição Couvaneiro

By  | 28 de Agosto, 2018 | 1 Comment | Filed under: Notícias

E se tudo fosse assim….

 

 

 

Um texto para a Gandaia? Sim, mas o quê? Procurar, procurar, remexer e encontrar. Dizer, depois. Assim tentarei fazer, se a tanto me ajudar “o engenho e a arte”. Corresponderei ao convite. Não podia deixar de o fazer. Ah, o tema? Livre, naturalmente. Sem censura. Sulcarei, como gosto, territórios e memórias. Seguirei ao sabor da pena e…veremos o que acontece. Percorro, quase sempre, o caminho da reflexão, a partir da emoção. Toda a gente assim faz, creio. Tão fácil acontecer aqui, com o mar aos pés, os trinados das gaivotas, os passos mais ou menos sincronizados de animais, bicicletas e dos transeuntes, no paredão. Cheiro a maresia misturado, às vezes, com o das caldeiradas. E, sobretudo a peculiar visão de belos corpos longilíneos, contidos, a custo, em apertados fatos de borracha, que por aqui se movimentam. Seguem, mar dentro, para o embate com as ondas e se perdem na espuma branca, que rola na areia, (que quase não há, dizem). Gente quase sempre nova e muito bela. A força das ondas a impedir as arremetidas humanas. Como bons aventureiros os surfistas seguem, respaldados por pranchas. Técnica, movimento, colorido, quedas bailadas… vozes e imagens únicas. Luta titânica. Beleza e contraste. A natureza na sua plenitude. É assim a Caparica.

Ao fim da tarde, no horizonte entre mar e céu, mais à frente, um pôr de sol, único e radioso a abrir-se em anéis laranja e vermelho, que se prolongam e estendem e… rápido se esfumam. O Bugio envergonhado, a anunciar caminho, sente que ali, agora, não faz nada. Não é a sua vez. Lá, mais além, rodopia no ar, em bando, densa nuvem de gaivotas, que rápido se aproximam, preparando-se para o banquete. Chamam, umas pelas outras, para que nenhuma fique de fora. Máquinas e homens, pousados na areia avançam, agora, na água. Nas redes puxadas por cordas, saltitam peixes desesperados, muitos e diversos, cúmplices do mesmo destino, com desconforto e, muito, muito medo, por chegarem à terra. Tentam, ainda, fugir, mas sem êxito… Compradores esperam. Do mar para a mesa, para um delicioso repasto.

Este ambiente mágico só tarde foi por mim desvendado, em mais profundidade, pelo meu olhar forasteiro. Algumas décadas antes, na infância, a cem quilómetros de distância, vizinha, eu, também, de outro mar, corria a notícia de que algo de perverso se passava por estas bandas. Próximo, um Meco desnudado, onde gente se desnudava, anunciava-se proibitivo, pouco cristão e de atentado ao pudor. Próprio de gente de maus costumes. Quem sabe se obra de corruptores de fora. Dos que há muito deixaram o Éden, para entrarem noutros paraísos. Foi talvez daí que Eva viu o mal, a tentação e se sentiu envergonhada. Fora expulsa, para sempre, do Paraíso. Tinha, afinal, corpo e sentia. Condenação mesmo se deveria passar, ai, na Meca do Meco.

Passou tempo e com ele, a procura de mais verdade. O desejo de entender melhor. A compreensão da natureza pode ajudar a derrubar tabus. A ser mais autêntico, menos dono da verdade, do bem e, porque não (?), mais humilde. O conhecimento ajuda a entender melhor. O dito nudismo, se o é, só por si, não tem qualquer interesse. Mais tarde deu lugar ao conhecimento de uma filosofia própria, o Naturismo. Fonte da Telha, Adiça, Dezanove, Bela Vista e outras mais que se lhe seguem e seguirão. Afinal estar, sem roupa, pode ser mais angelical e até menos luxuriante, do que o modo como são usados alguns trajos. Tudo depende da atitude. O naturismo, quando se expressa na relação simbiótica com a natureza, e onde tal for aceite, começa a ser muito generalizado e defendido. Mostra a liberdade dos peixes no mar, a dançar nas ondas, ou das gaivotas a planarem o céu e a descerem a pique, em voos rasantes e pios sensuais. Exprime uma tentativa de ligação, entre homens e natureza. Revela, sem pejo e com respeito, a diversidade. A aceitação do corpo que se tem, sem rodeios. Sem fixar zonas erógenas que, por convenção, é necessário tapar. Obedecer ao que pode desvirtuar, as relações humanas. Expor-se como se é. Talvez mesmo o desprezo pela categorização social, exibindo apenas a pele que cada um tem, sem que se evidencie a cor. Só por que se é pessoa. Natureza integrada, sem o peso do estatuto que o diferencia e distingue. Ser naturista, no lugar próprio: campismo, praia e que não ofenda e desrespeite, quem o mesmo não aceite. Naturismo pode não ser perversidade. Não é possível, que o seja. Tem que ser um sinal de liberdade, de harmonia, de saúde e de bem-estar. De auto-estima. De respeito por si, pelo outro e pela natureza. Pode ser a aceitação de uma pertença universal. O naturismo, em expansão, cada vez mais aceite, e com forte expressão nesta área geográfica pode ter um outro olhar, sobre a vida e a condição humana. Pode não ser visto como algo de mau e pecaminoso, mas uma filosofia própria, destinada a ligar num espaço de convicções comuns, onde se esbatem estereótipos e se desmorona a estigmatização social. Talvez uma forma de ser autêntico. Pode não ter nada de perverso nem exibir nele, alguma forma de erotismo que diminui e instrumentaliza. Será uma ligação, mais profunda, à natureza. O respeito por si e pelo outro. Mais consequente com esta pertença universal que a todos une, de forma muito singela e igualitária. Distingue, menos, deste espaço-tempo, que a todos liga.

Afinal a Caparica é esta terra magnífica, de mistérios e significados a descobrir. Uma natureza privilegiada que, sendo tão bela, integra, seduz, faz ser e ficar melhor. Onde o sagrado se liga ao místico. Ao natural. A Gandaia sabe que há aqui, muitos tesouros a descobrir. A fazer brilhar.

Juro que eu, que digo isto, não sou, (tenho pena), naturista. Muitos há, que o são, da minha idade. Mas gosto muito de pensar, se possível, sem preconceitos. De manter uma mente limpa e expectante. E gosto muito desta terra. Deste mar tão lindo, do céu tão azul, dos pores de Sol únicos. Dos Jovens belos, dos pescadores laboriosos de tez torrada pelo sol e pelo ar marinho. De gente TÃO BOA.

 

About 

Jornal da Associação Gandaia

http://gandaia.pt

One Response to Ecos da Vida – crónica de Conceição Couvaneiro

  1. Luisa Bartolomeu 12 de Outubro, 2018 at 3:45

    Um artigo cativante que de uma forma leve e divertida abala preconceitos (que ainda vão persistindo na sociedade portuguesa) e mostra como a vida é simples para os que sabem amar e apreciar a natureza. Gostei muito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

AUDITÓRIO COSTA DA CAPARICA

  1. 28JunConcerto Mário Gramaço
  2. 14SepV Encontro de Narração Oral de Almada
  3. 15SepV Encontro de Narração Oral de Almada
  4. 05OctJoão da Ilha
  5. 25OctFilipe Salgueiro
  6. 26OctFilipe Salgueiro
  7. 27OctFilipe Salgueiro
  8. 09NovCAPARICA JAZZ
  9. 15NovTeatro - "Volta a Portugal em Revista"
  10. 29NovFilipe Salgueiro
  11. 30NovFilipe Salgueiro
  12. 01DecFilipe Salgueiro
  13. 14DecConcerto Magano

GANDAIA CLUBE

  1. 13JulApresentação do livro de poesia "Pacto" da autoria de Miguel Almeid
  2. 28SepLançamento do livro "Memórias de uma Menina que se tornou Mulher" d

NOTÍCIAS NO EMAIL

Para receber no seu email o nosso BOLETIM SEMANAL Introduza aqui o seu endereço eletrónico...

Pin It on Pinterest