Os Mistérios do Sonho

A madrugada já se esvaía quando ele despertou.

No quarto, a tímida penumbra iniciava o seu incansável trabalho de definição das formas e das cores com a luz difusa que, com timidez, se insinuava pela janela aberta. 

As noites traziam-lhe o descanso que o seu corpo alquebrado pelo peso dos anos tanto necessi­tava, mas também o alheavam, temporariamente, da realidade que lhe mortificava o espírito. No sono, ele desfrutava do privilégio exclusivo de se sentir, ao mesmo tempo, feliz, livre e louco.

Abandonava-se, por completo, aos imprevistos do sono e acabava por cami­nhar por imponderá­veis vere­das praticando, sem o notar, aquele que era o mais secreto e íntimo dos seus actos.

Era-lhe sempre agradável sonhar com ela, tanto tempo depois do seu desaparecimento. Sentia-se, dessa forma, reconfortado, pois convencia-se de que a reali­dade da sua vida passada nada mais tinha sido do que um sonho partilhado.

A felicidade, tão ausente do seu actual quotidiano, chegava-lhe em permanência de um mundo ignorado a cada noite. Tornava-se íntima, insinuava-se nele com a mesma suavidade da mulher que, outrora, procurava o calor do seu corpo nas frias noites de Inverno. No sono havia como que um plasma sensual que o impregnava da presença dela, implicando-o nas exigências e nas servidões da escolha.

Esses sonhos eram a panaceia para os seus males do espírito e pareciam-lhe tão autênticos que ele tinha sempre relutância em acordar para evitar que eles se desvanecessem e o fizessem voltar à realidade.

Ao sonhar, ele coordenava os relances daquelas contemplações e com os sonhos urdia uma história, em que ela era sempre a protagonista.

Nas longas vigílias, tentava compreender os mis­té­rios do sonho. Com o tempo foi concluindo que, quan­do mergulhava nas profundezas do sono, havia uma porta que se fechava sobre a sua realidade, enquanto uma outra se abria para um mundo paralelo, pela qual ele passava confiante, que não dominava, mas que lhe parecia ser uma extensão dos seus pensamentos.

Os sonhos precisam da solidão para se desenvolver livremente e ele, quanto mais concentrado estava, mais apto estava a sonhar amplamente. Algumas vezes, no sono, até sentia que era o universo, que era deus e, ainda com mais frequência, que era um construtor de passados. Nesses momentos, surgia-lhe uma interroga­ção persistente para a qual nunca obteve resposta:  seria aquele sonho realmente dele ou ele faria parte do sonho de alguém que o sonhava?

No entanto, tinha a firme convicção de que isola­mento em que vivia era o campo fértil onde nasciam e cres­ciam todos esses pensamentos.

O sono afastava-o do autodomínio, de tal forma que os sonhos lhe surgiam independentemente da sua vontade, e ele tanto era invadido pela inquietação, pelo desespero e, até, pelo pavor, quando as coisas sombrias do mundo ignorado se tornavam suas vizinhas, quanto pelo prazer, pelo riso e pela alegria. No entanto, tinha a noção de que o sono mais perfeito estava quase, forço­sa­mente, ligado ao amor: era um repouso meditado e re­flectido em dois corpos. Numa dessas noites inces­santes, o sonho que teve com ela, foi de tal maneira ‘real’ que ele acordou chamando o seu nome. Isso confirmou-lhe a ideia dos antigos Gregos que acredita­vam que nós somos as sombras de um sonho.

Porém, o mistério específico do sono, saboreado por si mesmo, o inevitável mergulho a que se aventurava todas as noites nu, sozinho e desarmado, num oceano onde tudo muda, as cores, as densidades, o próprio ritmo da respiração, e onde ele encontrava os seus mortos, continua por resolver.

Reinaldo Ribeiro

17FEV2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Pin It on Pinterest